terça-feira, 10 de agosto de 2010

O NASCIMENTO DE REVISTAS PORNOGRÁFICAS E SEUS PROPÓSITOS

O Século das Luzes (XVIII) bem que poderia ser aplicado à pornografia. No referido período o erotismo estava em alta na produção literária europeia, principalmente na França.

Um século antes (XVII), começaram a circular as primeiras revistas especializadas na produção de imagens (desenhos) e de contos eróticos. Inicialmente o projeto tinha por objetivo criticar o Estado e principalmente os princípios morais religiosos.

De princípio, algumas obras eram publicadas sem autoria, decerto por temor à eventual retaliação. Uma das primeiras obras - talvez a fundadora do estilo - foi publicada em 1655. Chamava-se A Escola das Meninas, em cuja matéria uma jovem, virgem e inocente, fora instruída na arte do sexo e do amor. Sua instrutora teria sido sua prima mais velha.

Outra, criticando diretamente a Igreja, narrava o diálogo entre duas freiras, uma de 19 e outra de 16 anos. As duas trocavam beijos e carícias, as quais eram excitadas por um abade e um monge, que teriam sido convidados pelas duas.

A partir da metade do século XVIII, a literatura pornográfica ganhou novos ares. Serviu de veículo para a divulgação da filosofia materialista. O famoso enciclopedista Diderot chegou a publicar uma revista na qual tratava de questões filosóficas em meio a cenas de sexo explícito.

Depois passou a misturar erotismo com política. As revistas eram utilizadas para a crítica direta a políticos indesejados por seus idealizadores. A rainha Maria Antonieta foi um desses alvos. Em uma das cenas, a monarca era retratada em seu quarto abrindo a porta para um de seus amantes: um padre. O autor atingia, na mesma cena, a rainha e a Igreja.

Às portas do século XIX, a pornografia tomava novo impulso. Foi ao extremo ao publicar cenas eróticas associadas à tortura e ao estupro. Houve retaliação em massa, começando pelo grande público.

O Estado passou a intervir mais diretamente na fiscalização, e a literatura produzida a partir do novo século (19) teve como público-alvo um grupo mais seleto, uma vez que a pornografia passou a ser um assunto privado, próprio a ser contemplado entre quatro paredes, diferentemente dos dois séculos anteriores, quando era comum a contemplação e os debates nos quatro cantos das ruas.

Perdeu alguns de seus intentos: a crítica e a divulgação de ideias. Seu único objetivo passou a ser a difusão do erotismo.

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário