terça-feira, 1 de março de 2011

A IMORTALIDADE DA ALMA ESTÁ DEMONSTRADA, SEGUNDO O FILÓSOFO SÓCRATES

Sócrates, conhecido filósofo grego, não deixou sequer um texto escrito, mas ainda assim foi possível, graças a Platão - seu fiel discípulo -, conhecer parte de sua história, crenças e ideias. Em Fédon, diálogo de autoria platonista, o velho Sócrates nos mostra seu ponto de vista sobre a existência e a imortalidade da alma. Abaixo, o diálogo que evidencia a opinião do filósofo sobre o referido assunto:

Sócrates: Responde-me, se puderes: qual é a coisa que ao entrar num corpo o torna vivo?
Cebes: A alma.
Sócrates: Então a alma, apoderando-se de uma coisa, traz consigo vida para essa coisa?
Cebes: Sempre a vida.
Sócrates: Existe um contrário da vida, ou não?
Cebes: Sim, existe.
Sócrates: Qual é?
Cebes: A morte.
Sócrates: Não é verdade que a alma nunca aceitará o contrário do que sempre traz consigo?
Cebes: É verdade.
Sócrates: E como chamávamos o que não aceitava a ideia do par?
Cebes: Ímpar.
Sócrates: E o que não aceita o justo e ao que não admite o harmônico?
Cebes: Injusto e inarmônico.
Sócrates: E ao que não admite a morte, como chamaremos?
Cebes: Imortal.
Sócrates: A alma não admite a morte, não é?
Cebes: Sim.
Sócrates: Então é imortal?
Cebes: Sim, é imortal.
Sócrates: E, portanto, afirmaremos ou não que isso está demonstrado?
Cebes: Totalmente demonstrado, meu caro Sócrates!

Na visão de Sócrates, a razão demonstra a imortalidade da alma, como vimos acima. Adiante, no mesmo diálogo, o filósofo conclui que, diante da racionalidade demonstrada, "a alma nem aceitará a morte nem ficará morta".

Em outro trecho, Sócrates prossegue: "Existe, contudo, ao menos uma coisa em que seria justo que todos refletíssemos: se a alma é de fato imortal, se faz necessário que zelemos por ela, não só durante o tempo presente, que denominamos viver, mas ao longo de todo o tempo, pois seria grave perigo não se preocupar com ela".

Prossegue o mesmo autor:

"Suponhamos que a morte seja apenas uma completa dissolução de tudo. Que maravilhosa ventura estaria então reservada para os maus, que se veriam libertos de seu corpo, de sua alma e de sua própria maldade! Mas, em verdade, uma vez que se tenha demonstrado que a alma é imortal, não haverá escapatória possível para ela em face de seus males, exceto que se torne melhor e mais sábia."

Sócrates jamais foi ateu!

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário