terça-feira, 14 de dezembro de 2010

A SEXUALIDADE NO BRASIL DE 200 ANOS ATRÁS

O modo como o sexo é tratado no século 21 é bem diferente daquele no início do século 19, embora alguns traços ainda têm resistido às inovações. Mexer com mulher alheia e com moça virgem era algo sério, muito sério mesmo.

No Brasil, país então profundamente católico e guardião dos "bons costumes", adultério dava processo, dava cadeia.

A palavra "virgem" era evitada, tinha conotação direta com a sexualidade. Até bem pouco tempo atrás, muitas mulheres brasileiras evitavam também usar o vocábulo "menstruação". Preferiam usar expressões do tipo "Fulana está naqueles dias", para enfim dizer que a mulher estava menstruada.

Em vez de "virgem", alguns achavam melhor dizer "três vinténs", uma referência ao hímen, à virgindade. Daí teria surgido a expressão "tirar os três vinténs" como uma forma de dizer que uma moça foi desvirginada.

O sogro de D. Pedro I ficou conhecido como "o quebra vintém". Há, até o momento, dúvidas quanto ao apelido em questão, se pelo fato dele ter sido um homem de força extraordinária (era capaz de quebrar uma moeda de cobre - também conhecida como 'vintém' - com os dedos) ou se pelo fato de ter o hábito de tirar a virgindade de várias moças brasileiras.

Outro fato curioso diz respeito aos homens que eram traídos. Assim como era praticado em Portugal desde o século 16, eles eram chamados de "corno" ou de "corno manso".

Felício Pinto perdeu a esposa, marquesa de Santos, para D. Pedro I. Antes, porém, havia tentado matá-la a facadas, uma vez que fora vítima de adultério. Chegou inclusive a processá-la judicialmente.

Os adultérios da marquesa se tornaram públicos. Em tais situações, era comum no Brasil daquela época, terceiros colocarem, na calada da noite, pequenos chifres pendurados na porta do traído, uma forma de tornar oficialmente público o que já era alvo de mexerico nas ruas.

Assim, não somente o pudor feminino como as zombarias em relação aos traídos tiveram suas peculiaridades no Brasil de duzentos anos atrás.

.