quarta-feira, 27 de outubro de 2010

IMPERADOR CONTEMPORÂNEO DE CRISTO IMPLANTOU UMA VERDADEIRA DITADURA: CONHEÇA OS HORRORES POUCO CONHECIDOS DO GRANDE PÚBLICO PRATICADOS POR ELE

O imperador foi Tibério César, sucessor de Otávio Augusto e governante na época em que Cristo teria sido crucificado.

Tibério César, além de um governante medroso, era pedófilo. Embora não tenha passado à história como um carrasco semelhante a Calígula e a Nero, foi, na prática, tão perverso quanto os ditos famosos.

Numa verdadeira ditadura, determinou que em todas as festas religiosas houvesse execuções. Em diversas situações, famílias inteiras eram acusadas e condenadas à execução. Quando somente alguns dos membros da família eram condenados, os demais estavam proibidos de chorar, sob pena de serem condenados também.

A fim de estimular o maior número de condenações, o ditador recompensava aqueles que denunciassem os pretensos culpados. Somente na ditadura de Hitler é que vemos algo parecido. Qualquer delito era motivo para duras penas no governo de Tibério. Historiadores da época chegam a afirmar que até algumas palavras poderiam constituir crime.

Houve uma completa censura às obras literárias. Há registros de poetas e historiadores que foram punidos. Muitos livros foram destruídos, mesmo tendo sido aprovados no governo de Otávio Augusto, seu antecessor. Durante muito tempo funcionou, na Velha Roma, um hábito curioso, típico de ditaduras: muitos escritores remetiam suas obras ao imperador para que o mesmo se manifestasse sobre a dita obra.

Um dos historiadores da época foi punido por Tibério porque teria afirmado que Bruto e Cássio foram os últimos romanos. Prisioneiros foram impedidos de estudar e perderam muitas regalias (para a época), como a conversação e o entretenimento.

Muitos daqueles que eram chamados aos tribunais tiravam antes a própria vida, pois certos estavam dos castigos que lhes esperavam. Aqueles que ao tribunal compareciam, eram humilhados, cujos métodos de castigo em muito se assemelhavam àqueles usados pelos inquisitores da Idade Média.

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário