domingo, 15 de agosto de 2010

O POLÍTICO QUE DESEJOU CASTRAR SEU AMANTE PARA TRANSFORMÁ-LO EM MULHER

Até hoje ainda é difícil saber se foi Calígula ou Nero quem mais praticou atos libidinosos enquanto imperador. Nero, que governou por muito mais tempo, carrega em seu histórico muitos exemplos, alguns dos quais serão expostos abaixo.

O imperador chegou a tirar a virgindade de uma Vestal, considerada uma mulher bela e reservada exclusivamente para a religião, assim como as freiras.

Amou muitos homens. A um deles, Esporo, parece ter amado com mais intensidade. Queria transformá-lo em mulher, de modo que tentou, várias vezes, arrancar os testículos do rapaz.

Apaixonado, Nero se fez acompanhar do amante em muitos locais, inclusive em cerimônias oficiais. Fazia questão de desfilar com ele nas liteiras.

Nero o tratou como uma verdadeira mulher, de modo que o vestia com roupas femininas, tendo comparecido juntamente com ele às assembleias e aos mercados da Grécia.

Em todos os locais que compareciam juntos, o imperador fazia questão de beijar o amante, de modo que todos pudessem contemplar seus momentos íntimos.

Apaixonou-se, também, por um liberto chamado Dorífero, com quem Nero realizou muitas de suas fantasias sexuais, sendo o imperador a mulher na relação. Quando se relacionava com Dorífero, Nero imitava os gritos e gemidos das virgens quando estão perdendo a virgindade.

Insaciável, Nero ordenou a matança de animais ferozes somente para retirar sua pele, com a qual ele se cobria para simular uma relação sexual com o referido animal, cumprido Nero papel passivo na relação.

Outras vezes, desejando um amor sádico, o mesmo imperador se trancava em jaulas e ao sair, se atirava aos pés de homens e de mulheres, praticando com eles, na mesma hora, o sexo oral.

Quando um caso judicial lhe chegava, e se a acusação fosse sobre práticas obscenas, o imperador perdoava aos transgressores, afinal, para ele, o ser humano é hipócrita, hábil dissimulador de seus vícios sexuais, cujos hábitos o imperador não se esforçou em escondê-los.

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário