segunda-feira, 2 de agosto de 2010

HOMEM QUE SE TORNOU O MAIS PODEROSO EM SEU TEMPO QUASE NÃO CONSEGUE LER SEU ENSAIO POR CAUSA DA OBESIDADE DO AUDITÓRIO

Na juventude um famoso escritor o aconselhou a escrever - o que de fato veio a acontecer, com a ajuda de um amigo.

Seu primeiro trabalho foi um ensaio. Achou por bem submeter sua obra a um numeroso público, que se encontrava em um auditório.

A primeira dificuldade em concluir a leitura se deu pelo fato dele ter contraído um resfriado, o que teria perturbado o sucesso da leitura (não se descarta certo nervosismo).

Se não bastasse o resfriado do autor-leitor, ainda houve novo contratempo: como o auditório era composto por pessoas muito gordas, de vez em quando um banco de madeira se quebrava com os gorduchos, de modo que a leitura tinha que ser interrompida.

Logo que a leitura era reiniciada, novos bancos se quebravam, levando alguns ouvintes ao chão, tamanho o peso sobre os assentos.

O público presente não se continha e começava a rir da situação. Quando se pensava que tudo estava sob controle, ante o silêncio da plateia, novo riso tomava conta do auditório, pois todos se lembravam da forma com os infelizes caíam dos bancos.

A cada riso e a cada novo banco que se quebrava havia a interrupção da leitura do texto. E assim se sucedeu até o fim da leitura. Dá para se ter uma ideia da cena.

O autor-leitor era o imperador romano Cláudio (41 a 54 d.C.). O escritor que o aconselhou foi o historiador Tito Lívio.

O fato acima narrado aconteceu antes dele assumir o trono. Quando assumiu o poder, porém, manteve o hábito de ler ou de mandar ler seus feitos para grandes auditórios.

.

Um comentário:

  1. Com um homem poderoso desse ou tinha auditório ou enterro em massa! Basta lembrar das manias de Nero.

    ResponderExcluir