domingo, 20 de junho de 2010

UMA DAS VIRGENS MAIS DESEJADAS DO MUNDO QUEBROU SEU VOTO DE CASTIDADE PARA SE CASAR COM O HOMOSSEXUAL MAIS INFLUENTE DO SEU TEMPO

No Ocidente cristão, a virgindade já foi um poderoso instrumento, um requisito essencial para que uma mulher fosse rotulada de "ideal" para um homem. Mas foi no paganismo que elas alcançaram seu poder máximo, detentoras de grandes privilégios numa sociedade altamente machista.

As vestais eram as mulheres responsáveis por não deixar se apagar o fogo do altar da deusa Vesta, protetora do lar. Como os antigos romanos supervalorizaram a proteção do lar - não foi por menos que herdamos deles os fundamentos jurídicos para a proteção do nosso lar -, a referida deusa tinha grande popularidade entre os habitantes da velha Roma.

Uma vez que a deusa era virgem, as sacerdotisas vestais também deveriam se manter virgens. Eram requisitadas quando tinham 7 anos de idade. Outro critério para ser uma vestal era a notável beleza física.

Geralmente passavam reclusas no templo da deusa durante 30 anos, em cujo período deveriam permanecer virgens. Se quebrassem o voto, poderiam ser enterradas vivas.

Raramente se apresentavam em público. Entre os dias 7 e 15 de junho desfilavam na cidade em uma procissão dedicada à deusa. A formosura das sacerdotisas e o luxo apresentado no evento provocavam alvoroço e comoção entre os espectadores.

As jovens eram literalmente desejadas por homens influentes de todo o mundo.

Tinham privilégios excepcionais: não estavam sob a tutela dos pais; poderiam instruir senadores; tinham assentos especiais em eventos do Estado romano e recebiam uma aposentadoria do governo.

Em 218 d.C., Heliogábalo, homossexual assumido, ocupou o trono do império romano. Se apaixonou por uma vestal, Júlia Aquila Severa, que deixou de lado seus votos religiosos para se entregar ao imperador. O casamento trouxe grandes escândalos em todo o império. Logo ela seria abandonada pelo marido.

Quando Teodósio I assumiu o trono romano (379 a 395 d.C.), proibiu em definitivo, por influência do cristianismo, o culto à deusa Vesta. Morria aí, oficialmente, as tradições ligadas às virgens mais influentes que o mundo já viu.

.

Um comentário:

  1. DENÚNCIA: SÍTIO CALDEIRÃO, O ARAGUAIA DO CEARÁ – UMA HISTÓRIA QUE NINGUÉM CONHECE PORQUE JAMAIS FOI CONTADA

    “As Vítimas do Massacre do Sítio Caldeirão
    têm direito inalienável à Verdade, Memória,
    História e Justiça!” Otoniel Ajala Dourado

    O MASSACRE DELETADO DOS LIVROS DE HISTÓRIA

    No município de CRATO, interior do CEARÁ, BRASIL, houve um crime idêntico ao do “Araguaia”, foi a CHACINA praticada pelo Exército e Polícia Militar em 10.05.1937, contra a comunidade de camponeses católicos do SÍTIO DA SANTA CRUZ DO DESERTO ou SÍTIO CALDEIRÃO, cujo líder religioso era o beato “JOSÉ LOURENÇO GOMES DA SILVA”, paraibano negro de Pilões de Dentro, seguidor do padre CÍCERO ROMÃO BATISTA, encarados como “socialistas periculosos”.

    O CRIME DE LESA HUMANIDADE

    O crime iniciou-se com um bombardeio aéreo, e depois, no solo, os militares usando armas diversas, como metralhadoras, fuzis, revólveres, pistolas, facas e facões, assassinaram na “MATA CAVALOS”, SERRA DO CRUZEIRO, mulheres, crianças, adolescentes, idosos, doentes e todo o ser vivo que estivesse ao alcance de suas armas, agindo como juízes e algozes. Meses após, JOSÉ GERALDO DA CRUZ, ex-prefeito de Juazeiro do Norte/CE, encontrou num local da Chapada do Araripe, 16 crânios de crianças.

    A AÇÃO CIVIL PÚBLICA PROPOSTA PELA SOS DIREITOS HUMANOS

    Como o crime praticado pelo Exército e Polícia Militar do Ceará é de LESA HUMANIDADE / GENOCÍDIO é IMPRESCRITÍVEL conforme legislação brasileira e Acordos e Convenções internacionais, a SOS DIREITOS HUMANOS, ONG com sede em Fortaleza – CE, ajuizou em 2008 uma Ação Civil Pública na Justiça Federal contra a União Federal e o Estado do Ceará, requerendo: a) que seja informada a localização da COVA COLETIVA, b) a exumação dos restos mortais, sua identificação através de DNA e enterro digno para as vítimas, c) liberação dos documentos sobre a chacina e sua inclusão na história oficial brasileira, d) indenização aos descendentes das vítimas e sobreviventes no valor de R$500 mil reais, e) outros pedidos

    A EXTINÇÃO SEM JULGAMENTO DE MÉRITO DA AÇÃO

    A Ação Civil Pública foi distribuída para o Juiz substituto da 1ª Vara Federal em Fortaleza/CE e depois, para a 16ª Vara Federal em Juazeiro do Norte/CE, e lá em 16.09.2009, extinta sem julgamento do mérito, a pedido do MPF.

    RAZÕES DO RECURSO DA SOS DIREITOS HUMANOS PERANTE O TRF5

    A SOS DIREITOS HUMANOS apelou para o Tribunal Regional da 5ª Região em Recife/PE, argumentando que: a) não há prescrição porque o massacre do SÍTIO CALDEIRÃO é um crime de LESA HUMANIDADE, b) os restos mortais das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO não desapareceram da Chapada do Araripe a exemplo da família do CZAR ROMANOV, que foi morta no ano de 1918 e a ossada encontrada nos anos de 1991 e 2007;

    A SOS DIREITOS HUMANOS DENUNCIA O BRASIL PERANTE A OEA

    A SOS DIREITOS HUMANOS, como os familiares das vítimas da GUERRILHA DO ARAGUAIA, denunciou no ano de 2009, o governo brasileiro na Organização dos Estados Americanos – OEA, pelo DESAPARECIMENTO FORÇADO de 1000 pessoas do SÍTIO CALDEIRÃO.

    QUEM PODE ENCONTRAR A COVA COLETIVA

    A “URCA” e a “UFC” com seu RADAR DE PENETRAÇÃO NO SOLO (GPR) podem localizar a cova coletiva, e por que não a procuram? Serão os fósseis de peixes do “GEOPARK ARARIPE” mais importantes que os restos mortais das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO?

    A COMISSÃO DA VERDADE

    A SOS DIREITOS HUMANOS busca apoio técnico para encontrar a COVA COLETIVA, e pede que o internauta divulgue a notícia em seu blog/site, bem como a envie para seus representantes no Legislativo, solicitando um pronunciamento exigindo do Governo Federal a localização da COVA COLETIVA das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO.

    Paz e Solidariedade,

    Dr. Otoniel Ajala Dourado
    OAB/CE 9288 – 55 85 8613.1197
    Presidente da SOS – DIREITOS HUMANOS
    Editor-Chefe da Revista SOS DIREITOS HUMANOS
    Membro da CDAA da OAB/CE
    http://www.sosdireitoshumanos.org.br
    sosdireitoshumanos@ig.com.br
    http://twitter.com/REVISTASOSDH

    ResponderExcluir