quarta-feira, 2 de setembro de 2009

LAMPIÃO, PADRE CÍCERO E O FISCAL DO GOVERNO FEDERAL

Padre Cícero, considerado milagroso por uma grande parcela católica, era muito próximo de Lampião, o rei do cangaço. Com a intenção de derrubar a Coluna Prestes, que pregava o comunismo, o Governo Federal, na década de 20 do século XX, , autorizou Padre Cícero a nomear Lampião com a patente de "Capitão".

O cangaceiro foi a Juazeiro do Norte-Ce para a posse. Lá recebeu muita munição e as ordens inequívocas para banir a Coluna Prestes e ainda seria homenageado com o título de Capitão, patente bastante sonhada nos rincões nordestinos.

Como em Juazeiro do Norte a maior autoridade do Governo Federal era um Fiscal da Agricultura, este assinou o Termo de Posse do capitão Virgulino Ferreira, o dito Lampião.

Antes de morrer Padre Cícero afirmou que caberia ao Deputado Federal Floro Bartolomeu, amicíssimo do padre, a obrigação de presidir o ato cerimonial em pauta. Como o referido deputado estava doente naquele dia, hospitalizado no Rio de Janeiro, Cícero Romão Batista teria ficado com essa obrigação.
 
Ocorre que ao descobrir que o documento era falso e que ele não seria visto pelo Governo como Capitão, desistiu de lutar contra os comunistas e ainda ficou com todo o armamento presenteado.
 
.